terça-feira, 25 de março de 2008

Puro Vintage

De lâmina em riste, António tentava não cortar a cara, nessa aborrecida empresa quotidiana de aparar aquilo que já ia sendo a sua barba grisalha.
Todos os dias, com excepção do Domingo - dia de grandes sofrimentos, vividos junto a uma fanhosa telefonia de um "esférico rolando sobre a erva", ora impiedosa, ora triunfal -, aquele era um ritual que envolvia uma certa arte de concentração, destreza, precisão e paciência.
Um marco ritual da sua passagem à idade adulta, António, lembrava-se bem do dia em que seu Pai, o senhor Zeferino, lhe disse para começar a cortar aquela "barba de mancebo", porque lhe daria um ar mais apresentável lá no armazém onde já trabalhava há dois anos como pequeno grumete.
De grumete a fiel, foi subindo na vida e estava agora responsável por todo aquele vetusto edifício de enorme pé direito e com grandes portadas de madeira de castanho.
Entre um pequeno corte e um pequeno fio de sangue, os impropérios sussurados para si próprio, apenas cessavam no gesto seguinte: mergulhava a cara na bacia de porcelana do lavatório, na água tépida previamente regurgitada por duas torneiras prateadas - uma de quente, outra de frio -, limpando os restos de creme de barbear aplicado na face, ao pincel, esperando um qualquer alívio para aquele rubor ardente.
Perfeccionista, pegava naquele balsâmico "Musgo" meio mentolado que se queria para a realeza, para as "Pessoas de Primeira Categorya e Qualidade" (o maior desejo de uma classe média vitoriosa), e cobria a cara de espuma, tirada em mais umas quantas conchas de água.
Em breves gestos levava à cara o verde e áspero turco atoalhado, encontrado no varão fixo ao azulejo branco da parede, olhando-se depois ao espelho com a sensação de dever cumprido e em estado de total prontidão.
Ao sair do quarto de banho, toalhão de banho aos ombros, lá ia todo lampeiro vestir-se.
No lavatório, permanecia essa gasta barra de sabonete com óleo de côco, o mesmo desde os seus tempos de petiz. Um "must" ainda muito antes de nascer tal conceito, mas que dava aos dias úteis um sentido de confiança, de permanência e de certeza de que iria ser sempre assim.
Os clássicos em espuma no seu melhor.

(Um mote avulso numa esplanada onde se bebe nostalgia)

4 comentários:

A M disse...

Este artigo é muito bom.
Eu que o diga, que até o Feno de Portugal se me recorda. E não há cortes como os primeiros.
Bom o artigo e também o artigo. E se o primeiro não colmatará todos os anseios das senhoras mulheres (usando a expressão de um pregador conhecido)já a qualidade da escrita se basta. Se nem todo o sabão servirá todo o género, o que se acrescenta vale para todos os géneros.

Abraço escalhoado

paulo anjos disse...

Muito bem! Por momentos tive vontade de escanhoar certos pêlos...

ViriatoFCastro disse...

"Feno de Portugal... O Aroma da Naturezaaa" - lembro-me muito bem do anúncio de Tele-visão. Um grande bem-haja aos dois comentadores! Prometo uma sequela para certos artigos que considero de puro vintage.

Anónimo disse...

O primeiro vintage. É já um vintage de colecção. Maravilhoso.