sábado, 1 de novembro de 2008

Esses escritores que escrevem letras em forma de cócegas e não perdem a classe

Os mestres parecem sofrer, tantas vezes e talvez em razão da nossa pequenez comparativa, da ideia sisuda e complicativa com que os classificamos. Porém, por entre tanta letra que custa deslindar, erguem-se monumentos de alegria e momentos de riso. Aqui, na esperança desse riso, copio dois autores difíceis: António Lobo Antunes e Aquilino Ribeiro

“A Gisela aproximou-se, de tranca em riste, com os cacos de porcelana a chocalharem no avental, não fora eu agredir ou roubar ou aleijar ou fugir com o menino sem o seu consentimento e a sua ordem. O elevador imobilizou-se no nosso patamar com o serafim a lamentar-se, desolado, Ia abrir a grade quando esta geringonça começou a andar, e a Gisela, reconhecendo-o, Tenho a impressão que já o encontrei hoje, senhor major. Confundia os meses, enganava-se nos nomes, misturava as coisas, morreu estávamos nós há três ou quatro meses em Madrid. Não sou major, sou coronel, disse o outro, ofendido, enquanto eu aproveitava para correr a porta, atirar o saco de escuteiro do miúdo para cima dos sapatos de camurça e entrar com ele filado pelo braço. O que é isto?, o que é isto?, disse a Gisela a empurrar a tranca e a desequilibrar-se sob o peso do ferro, onde é que julgam que vão?
Cabíamos os três à justa na caixa hexagonal, com o tropa encolhido a um canto, e em lugar de aterrar no rés-do-chão desatámos a erguer-nos para os pisos de cima, habitados por mais velhos e velhas e siameses e contadores antigos e quartos sempre com uma pessoa a morrer, de braços escancarados, numa cama de casal. Apertei os botões todos, inclusive o do alarme, que soltou pelo prédio um gemido chocho e se calou numa espiral envergonhada: viscondessas de luto procuravam agarrar-se à grade ao passarmos por elas, o miúdo esmagava o embrulho do coronel com as costas e um sangue de chantilly e molho de morando escorria das frinchas do papel. A voz da Gisela, ora perto ora longe, ameaçava Menino Francisco, fique sabendo que faço queixa à sua mãe. Vamos correr para baixo e para cima o dia inteiro?, disse timidamente o militar à medida que uma multidão de senhoras nos observava dos patamares, e não só senhoras mas também crisálidas de várias idades, idênticas ás que se encontram nos álbuns de fotografias do passado, sepultados nos jazigos das gavetas. Espero bem que não, disse eu que não lograva sequer mover um ombro, entalado como me achava contra um espelho de bisel, temos de chegar a Monsaraz antes das cerimónias do enterro. Enterro?, aproximou-se o coronel a sangrar morangos do embrulho, ao menos que seja de um civil, as forças armadas não podem permitir baixas nesta altura, e nisto furámos a clarabóia do tecto e ouvi o estilhaçar dos vidros e o rebentar dos caixilhos de metal, e a seguir a sensação de vazio das gaivotas, de manhã, sobrevoando uma praia. Resolve-se esta gaita, disse eu ao meu cunhado, antes que a tua irmã nos dê cabo do canastro aos dois, e o miúdo deslizou-me entre as pernas como uma lagarta e pendurou-se nos comandos daquele foguete interestelar em forma de caixão, que trepava cidade acima à procura das nuvens. O alarme badalou de novo o seu sininho triste, e deixei de sentir a exaltação das gaivotas: as roldanas jogavam-nos para o vestíbulo como quem afoga gatos pequenos num tanque. Ultrapassámos velozmente uma cara de homem que se queixava Mas que brincadeira é esta, vou participar ao senhorio, outras crisálidas, outros cavalheiros idosos com as guitas dos seus embrulhos enrolados nos dedos, a Gisela a ameaçar-nos com o indicar estendido, e cá em baixo aguardavam-nos, nos majestosos degraus de pedra que conduziam à rua, o marido da porteira, de chave inglesa na mão, a torcer os parafusos do elevador, e uma feroz assembleia de viúvas que nos deixaram sair, ao meu cunhado e a mim, definitivamente terrestres, pingando chantilly e molho vermelho do casaco e das calças, como um par de feridos de guerra ou de albatrozes errados, e que rebolaram para o elevador atropelando o coronel, o qual, de braços no ar como os náufragos, pedia em vão Com licença com licença com licença, antes de falecer num redemoinho de saias. O caixão, com o guerreiro e a turba de luto, desapareceu rumo à clarabóia, enxotado pela chave inglesa que girava pregos e ajustava alavancas, e pela sereia do alarme a gemer, nos diversos patamares da casa, a sua angústia dorida. A voz de Gisela despenhava-se pelas escadas como um berlinde, enumerando represálias e castigos, e já na rua escutámos a explosão do elevador contra o tecto, a caliça fracturada, o piar de frango dos ocupantes e os sigilosos assobiozinhos de cometa dos bolos de recheio. De modo que cerrei cuidadosamente a porta atrás de mim, como um bombista que acaba de incendiar um quarteirão.”
jjjjjjjjjjjjjjj
Auto dos danados
kkkkkkkkkkkk
“Neste instante, o representante de Arcabuzais, Justo Rodrigues, desencravilhou as manápulas. Com a direita deu uma sapatada na esquerda e esborrachou as duas moscas malditas que lhe chupavam o sangue. Levou depois a mão à testa contra uma terceira mosca, mas essa fugiu a tempo para o nariz do Manuel do Rosário, da Azenha, que não deu logo por ela. Os homens de Almofaça e da Ponte do Junco, de carnes não menos frígidas, animados com o exemplo, desataram também a enxotar as moscas ou a reduzi-las a grude. Aqueles Paços do Concelho, com a feira do gado ao pé, eram um inçadoiro prodigioso de bicharia, a indigna, já de si caudalosa, acrescida da muita que transportavam as bestas, de vária ordem, dum redondo de muitas léguas.
- Ra’s parta! – exclamou Justo. – Ainda há mais moscas nesta terra do que ladrões.
O engenheiro silvicultor chefe, como ouvisse o brado destemperado de Justo, pôs a mão em concha detrás do ouvido, voltado para ele. Depois, tendo compreendido que não era nada com a sua pessoa, nem com o assunto, volveu:...”
jjjjjjjjj
Quando os lobos uivam

4 comentários:

psi 2 disse...

Efeitos positivos do tratamento, conforme se vê. Boa tonificação da alma e dos restantes orgãos.

Ale Danyluk disse...

Agradeço a visita e desde já ando apreciando também esse espaço...
Muito a descobrir...
Lindas palavras e fotos.
Ale

AugustoMaio disse...

Bem-vinda, e louvo também o "seu espaço", cheio de interesse.

AugustoMaio disse...

Esquecia (comentário 1). no mais... vai-se andando.