segunda-feira, 22 de setembro de 2008

No vento

Escrevo-te o meu nome nos frios do vento
que te desperta o piscado olhar de teimosia
As minhas saudades, mistura-las tu ao tempo
e mas devolves sem ânimo, sons de fantasia
Não faltasse a mim fé de certeza, dito alento
rimava-te na mesma com a verdade… poesia

1 comentário:

poesia disse...

Poesia é bem assim, tudo e nada, algo e mais alguma coisa.