sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Antero de Quental


Antero Tarquínio de Quental nasceu em Ponta Delgada a 18 de Abril de 1842 e faleceu a 11 de Setembro de 1891. Desde jovem que se destacou pelas suas opiniões revolucionárias e pela forma de estar na vida. Lutador e muito congruente com os seus ideais socialistas.
Antero espalhou saber pela poesia, filosofia e política. Estudou direito em Coimbra, onde brilhou como líder estudantil. Foi o guia espiritual da geração de 70, um agitador político a "tempo inteiro", que se afirmou pelo desejo de intervenção e renovação da vida política e cultural portuguesa.

Obras
Sonetos de Antero, 1861
Beatrice e Fiat Lux 1863
Odes Modernas 1865 (na origem da polémica Questão Coimbrã)
Bom Senso e Bom Gosto 1865 (opúsculos)
A Dignidade das Letras e as Literaturas Oficiais 1865 (na origem da polémica Questão Coimbrã)
Defesa da Carta Encíclica de Sua Santidade Pio IX 1865Portugal perante a Revolução de Espanha 1868
Primaveras Românticas 1872
Considerações sobre a Filosofia da História Literária Portuguesa 1872
A Poesia na Actualidade 1881
Sonetos Completos 1886
A Filosofia da Natureza dos Naturistas 1886
Tendências Gerais da filosofia na Segunda Metade do Século XIX 1890
Raios de extinta luz 1892
Prosas


Fonte wikipedia

4 comentários:

Bonequinha de Luxo disse...

Gostei de saber um pouco de Quental..de suas obras..

Obrigada pela visita!

Anónimo disse...

Muito importante e oportuna lembrança de um grande poeta e filósofo português e nobre açoriano.

tiro disse...

O grande Antero! Na primeira vista a Igreja colocada acima quase parecia a de Ponta Delgada onde o ilustre poeta decidiu dar um tiro em si mesmo e na vida. Já teria dito e escrito aquilo que, se bem lido, é suficiente a uma vida inteira.

Elektrik_Girl disse...

Adoro Antero... E gostei muito do que vi por aqui, tocam em assuntos deveras interessantes. Obrigado pelo comentário, vou-me mantendo up-to-date****