quarta-feira, 6 de agosto de 2008

inexorável

Roubados ao desejo,
suplicamos uma paisagem
que nos ordene o mundo
e volte a permitir
que o desejo seja o horizonte
onde se perdem olhos de criança,
depois de salpicar o areal do mar
com gestos incontroláveis de sal.

Queremos que o Sol aguarde
o retomar da vontade,
a memória da cama de pétalas,
o perfume adocicado do teu umbigo.
E fazemos um pacto com o tempo,
em troca de trocarmos o mundo.
Aceitamos envelhecer, mesmo a desgosto,
só para que os lábios se unam outra vez.

Quando chegamos a casa
há uma televisão que pinga disparates
e a louça da cozinha
sintoniza o eco sanitário dos vizinhos.

Trocamos os olhos sem dizer amor.
Comprámos a segunda sem pagar ao diabo.
E deitamo-nos tristes.
E mais velhos.

e. u. m., P.I.

2 comentários:

Passiflora Maré disse...

Sempre o mito de uma segunda juventude, prometida...
Mas nunca alcançada.

pena suave disse...

No prelúdio de cada "idade" há sempre UMA juventude,é só estar atento!