quinta-feira, 30 de abril de 2009

ausências

Empresta-me o teu bafo quente
Para respirar os frios da tua ausência
E poder recuperar a paciência
De esperar mais, de esperar sempre

É que

Tenho o coração pequenino de frio
E já torra o Verão na tarde seca
É Deus que me faz o desafio
A natureza que de ti me separa, peca

7 comentários:

sou eu disse...

Cuidado com o bafo.........é que anda aí a gripe!!!!!


Peço desculpa por este comentário prosaico, é talvez o embaraço perante o que é belo.

eu em Coimbra disse...

não se esqueça de incluir este.

eu em Coimbra disse...

E se a natureza peca
Ao longo deste traço (in)findo.
Ao menos as lágrimas seca
E, apesar de tudo, vamos rindo.

E lá longe ao fim da estrada
E, por vezes, desistindo...
Vem de novo uma nova caminhada
Que peca a ausência dum pecado lindo!

o meu, claro disse...

Muito bem.
vai-se ver, mas não acho grade coisa

eu baralhada disse...

Este não quero dizer o meu, mas sim o seu!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
O meu não presta???!!!!!!!!!!!!

Anónimo disse...

Também acho que o "bafo" tira a chama.
De qualquer forma, acho que deveria publicar estes seus eternos"suspiros"de amor.

Intermitências de Ecos disse...

É bom poder ler nas palavras de outrem os traços de nossos sentimentos.
Excelente!