segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

O poeta transforma indiferentemente a derrota em vitória, a vitória em derrota, imperador pré-natal apenas preocupado com a colheita do azul.
kkkkkkkkk
O poeta deve manter o equilíbrio entre o mundo físico da vigília e o perigoso bem-estar do sono, uma vez que as linhas do conhecimento, nas quais ele inscreve o corpo subtil do poema, percorrem indistintamente a distância entre um e outro desses diferentes estados da vida.
kkkkkkkkkkk
O poema está sempre casado com alguém.
kkkkkkkkkkkkkkkk
Em poesia, é apenas a partir da comunicação e da livre disposição da totalidade das coisas entre si através de nós que nos achamos comprometidos e definidos, ao ponto de obter a nossa forma original e as nossas propriedades probatórias.
kkkkkkkkkkkkkk
O poeta é o homem da estabilidade unilateral.
kkkkkkkkkkkkkk
O poema emerge de imposição subjectiva e de escolha objectiva.
O poema é uma assembleia em movimento de valores originais determinantes nas relações contemporâneas com alguém a quem essa circunstância dá a primazia.
kkkkkkkkkkkkkkk
O poeta não se irrita com a hedionda extinção da morte, mas, confiando no seu toque particular, transforma todas as coisas em fios de lã que se prolongam.
kkkkkkkkkkkkkkk
O poema é o amor realizado do desejo que permanece desejo.
kkkkkkkkkkkkkk
René Char, Partage Formel
Furor e Mistério, tradução Margarida Vale de Gato

1 comentário:

Juliana Pestana disse...

Adorei, adorei!!

Fiquei presa nas teias das palavrinhas. :-)

Bjos meus