sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Perfume na escuridão

Que rasto se colou aos teus
passos sem caminho
que oiço a respiração da tua vinda
mas cego o gesto
que te abraçaria

Deixa que o perfume
dos sonhos meeiros
te adivinhem o rosto
esse que os tantos anos
terão amassado
e foram desistindo
em corromper:
tenho a divina certeza
que teu sorriso
mantém o mesmo olhar

(de papoila luminosa
onde guardava os tesouros
imaginados de menino)

1 comentário:

nádia monteiro disse...

lindo e esperançoso :)

Espero que enha razão e obrigada pelos votos de boas festas os quais retribuo com carinho...