segunda-feira, 16 de junho de 2008

Gondelim


Constava do Grande Livro, guardado na Catedral de Godelim, que um guerreiro louco, descido do Norte, matara o urso que rondava aquele alto de pedregulhos, proclamando-se soberano das terras a perder de vista. Mas, a partir daí, só fêmeas se sentariam no trono, cabendo a precedência à que fosse de mais espessa barba, dentre as filhas da monarca reinante.

O reino de Godelim era povoado por gentes que trabalhavam de sol a sol, sachando os campos produtores de trigo e cevada, artigos com que atulhavam os celeiros reais. As rainhas governavam os seus súbditos, com grande tirania, cobrando impostos pesadíssimos, por cada alqueire de cereal que tirassem para seu próprio sustento, e obrigando-os a contribuir, com porcos da sua criação, para o apetite imenso de que padeciam.

Mário Cláudio, com ilustrações de Albuquerque Mendes
Edições Quasi

1 comentário:

Dedalus disse...

A imagem agrada. Se fosse possível dizer isso da imagem, ela é imaginativa. Talvez nem toda a imagem seja imaginação (quem me dera saber as origens das palavras) mas é-o inequivocamente.