quarta-feira, 28 de maio de 2008

Arvoro

Enquanto olhava a rua não conseguia, por muito que tentasse, deixar de ouvir os ruídos que ela fazia no quarto ao lado do seu. Ouvia os passos os ruídos da cama e todos os outros móveis. Imaginava de uma forma quase pura o seu despir, a forma como ela arrumava a roupa, o corpo nu, os seios e o sexo obscuro, ternamente doce, de tal forma que só a memória diluída ou a imaginação podem conceber.

2 comentários:

Anónimo disse...

Com estas variações, parece um Lobo Antunes doméstico, claro.

paulo anjos disse...

Um Lobo Antunes doméstico... Gostei. Sempre é melhor que domesticado.