terça-feira, 29 de abril de 2008

Sentir

É terrível sentir
Que tudo é, de certa forma,
Relativo;
Que não há nada de concreto,
A que nos possamos
Agarrar.

É terrível sentir
Que nada é, na sua essência,
Definido,
Que tudo – mas mesmo tudo –
Se altera,
Independentemente da nossa
Vontade.

Mas se tudo é
Relativo
Também o é este
Poema;
Se nada há definido
Também me altero
E nego tudo
Que acabei de escrever.

8 comentários:

AugustoMaio disse...

Belo regresso...

Anónimo disse...

É a (in)consistência dos sonhos, ali sempre ali..

Anónimo disse...

A negação do irreal - porque tão relativo - é a afirmação da realidade; porque assim entendida; porque só assim se podendo entender.

Lady Tena disse...

Antes a (in)consistência dos sonhos que a incontinência dos ditos.

Anónimo disse...

Uma boa absorção é sempre essencial.

Maria GV disse...

"Na minha juventude antes de ter saído
da casa de meus pais disposto a viajar
eu conhecia já o rebentar do mar
das páginas dos livros que já tinha lido

Chegava o mês de maio era tudo florido
o rolo das manhãs punha-se a circular
e era só ouvir o sonhador falar
da vida como se ela houvesse acontecido

E tudo se passava numa outra vida
e havia para as coisas sempre uma saída

Quando foi isso? Eu próprio não o sei dizer

Só sei que tinha o poder duma criança
entre as coisas e mim havia vizinhança

e tudo era possível era só querer"

Ruy Belo

Anónimo disse...

É mais um de tantos dias
Em que choro o teu adeus
Em que invento melodias
P’ra lembrar quem me esqueceu
É mais uma dessas noites
Em que finjo ser feliz
Imagino que não foste
E como em sonho, estás aqui

É assim, a minha vida
É assim, e o cinzento não mudou
Desde que te foste embora
Canto p’ra esquecer
E até vivo por viver
Se vivo eu estou
Pobre cantor de sonhos
Bom sonhador
Com olhos risonhos
Mas alma com dor
Pobre cantor de sonhos
Que faz sonhar
Que esconde o seu choro
E acaba sozinho, a chorar

É mais um de tantos dias
Em que as mágoas são iguais
Em que vivo fantasias
Nas canções e nada mais
É mais uma dessas noites
Em que sou aquele actor
Que faz do amargo doce
E do desgosto um mal menor

Anónimo disse...

"Não é verdade que tudo é relativo. Nem a teoria da relatividade ensina isso, mas eu conheço muito mal a teoria da relatividade. Acho que para f. é preciso ser linda como a C. Schiffer e inteligente como o Einstein. Mas vejo nas paragens dos autocarros mulheres grávidas feias e com ar de burras e não penso que tenham recorrido todas à inseminação artificial"

Adília Lopes,Irmã Barata, Irmã batata