quarta-feira, 30 de abril de 2008

POEMA do DIA

Não sei descrever o caminho das palavras,
volteadas nos mistérios do mundo.
Não sei descobrir as sinas,
antever os princípios, por isso
não vejo a intenção das asas nos mastros do mar,
por cima das ilhas.
(Aposto que os navios morreram no mar,
aposto que os navios lutaram diante
da raiva das ostras num abrir e fechar de conchas,
intercalado, por zumbidos tenebrosos
de batimentos de cascas;
deixaram-se levar no ondear das
águas como quem foge aos bocados.)
E eu não dei por nada.
Não dei por eles.
Por isso,
Já não sei dobrar os versos das palavras,
escrever-lhes na contracapa os nomes,
silogismos e acentos.
Esqueci-me do golpear dos versos, das mãos cheias
da gente, dos rostos nas fotografias.
Têm-me tirado mãos. Têm saído da minha vida,
Aos bocados, as mãos, os abraços, os colos e
as palmas.
Aposto as estrelas nas margens das folhas,
os papéis dispersos na linha da frente,
entrelaçados nas luzes,
nas sombras da malabarista, palhaça, caída em rede
falsa em cima do rombo do casco, dito coração,
das pessoas, do meu.
Dou a volta á metafísica numa finta descarada,
vou por cima, vou por baixo, dobro as mãos,
subo as escadas, à procura de (me) ver
nos meus navios; ganhar às ostras, terrivelmente
mecânicas, abrindo e fechando as conchas
num batimento infernal de cascas.
Mas
Perco as sombras, dobro os passos, apresso e escrevo:
Esta manhã, aqui, o mar
E os ecos dele rasgando a calçada da avenida,
Esta manhã, aqui, o mar
E a gente de há anos correndo nos mastros,
dos meus navios.
A minha vida toda
Já não é inteira.
Eles também não.

MARIANA MATOS
Poema para os meus navios, magma, 2006

2 comentários:

Maria GV disse...

"E num portulano que se quer completo, lá se vão traçando as rotas possíveis, as tormentas a evitar e as terras prometidas"

Anónimo Séc. XVI

Anónimo disse...

Esses teu cabelos, eram loiros finos
tinhas a magia nos teus olhos lindos
Nos meus sonhos tinhas, um lugar marcado
Uma esperança antiga, de estrares a meu lado

Foste a luta que perdi, e agora és só uma visão
Foste o amor que eu sempre quis, um sonho uma recordação
És carinho és saudade, meu poema de verdade
És canção que eu quis compor p'ra ti

Foste a luta que perdi, e agora és só uma visão
Foste o amor que eu sempre quis, um sonho uma recordação
És carinho és saudade, meu poema de verdade
És canção que eu quis compor para ti

Foram tantos anos, um caminho aberto
Mas fomos traídos pelo destino incerto
Nos meus sonhos tinhas um lugar marcado
Um esperança antiga, de estares a meu lado